Através de Portaria nº 303/2010, publicada em 08-06-2010 em Diário da República, foi regulamentado o alargamento das deduções à colecta de IRS para equipamentos e obras que contribuam para a melhoria do comportamento térmico dos edifícios, constituindo uma extensão da dedução à colecta do IRS relativa a encargos suportados pelos contribuintes individuais com equipamentos de eficiência energética.

No passado dia 29 de Abril em audiência na Secretaria de Estado da Energia e Inovação, com o Secretario de Estado, na qual participou igualmente o Director-Geral de Energia e Geologia, a APIRAC, beneficiou da oportunidade de apresentar a actividade que vem desenvolvendo, evidenciando algumas preocupações que assolam o mercado que representamos no nosso movimento associativo.

Do encontro retirámos a gratificação de sentir da parte do SEEI interesse em todas as matérias abordadas, e em particular do interesse demonstrado na possibilidade de enquadramento em sede de IRS dos equipamentos de climatização caracterizados por funcionamento em sistema “Bomba de Calor”.

Foi portanto com enorme surpresa e desapontamento que registámos que a referida Portaria não inclui os equipamentos mencionados, excluindo-os de forma expressa ao identificar no número 2 do Anexo - Lista de equipamentos abrangidos pelas deduções à colecta a que se referem as alíneas a) e b) do número 1 do artigo 85.º-A do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares – apenas a inclusão de “Bombas de calor destinadas ao aquecimento de águas de uso doméstico”.

Em conformidade com o nosso descontentamento e que demonstrámos por carta ao SEEI, apresentámos ainda documentação abarcando as diversas vertentes que julgamos merecedoras de reflexão para o enquadramento pretendido.

Recordamos que a APIRAC enquanto associação patronal representa verticalmente 450 empresas, num mercado de 1.500 empresas que emprega cerca de 15.000 postos de trabalho directos e exponencialmente postos de trabalho indirectos. O englobamento dos equipamentos de climatização que utilizem a tipologia de funcionamento “Bomba de Calor” em sede de IRS nas deduções à colecta seria um estímulo considerável no plano do consumo e consequentemente repercutível na actividade sectorial com implicações positivas na factura energética global nacional.

    Nuno Roque
Secretário-Geral | APIRAC
     
   
   

Portugal: 2009 foi o ano mais eficiente em termos ambientais

     
 

Em termos ambientais, o ano mais eficiente de Portugal foi 2009, embora cada português tenha reciclado, em média, apenas 13% dos resíduos gerados, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No primeiro relatório sobre gestão de resíduos produzido pelo INE para o período 2005-2009, o instituto destaca o facto de em termos genéricos se destacar o ano de 2009 “como o mais eficiente em termos ambientais”, de acordo com o rácio obtido a partir das quantidades de resíduos gerados por unidade do PIB.

Este resultado, de acordo com o INE, foi no entanto “influenciado pela queda da produção em geral e do sector da construção em particular que, face a 2008, gerou cerca de menos 5 milhões de toneladas de resíduos”.

Fonte: abcdoambiente

   
   

The New York Times destaca aposta portuguesa nas renováveis

     
 

Cerca de 45% da electricidade produzida em Portugal provém de energias renováveis, destacou na semana passada o jornal The New York Times que enaltece a aposta do Governo português nesta matéria.

“Quase 45% da electricidade em Portugal tem origem em fontes renováveis, um aumento de 17% face aos últimos cinco anos” escreveu o jornal norte-americano que dedicou três páginas a esta matéria e fez destaque na primeira página.

O jornal referiu ainda “que Portugal espera ser o primeiro país a inaugurar uma rede nacional de carregamento de carros eléctricos” já em 2011.

Fonte: LUSA

   
   

Portugueses geraram 511 kg de resíduos ano e reciclaram 13%

   

 

 

Cada português reciclou, em média, no ano passado, 67 quilos de resíduos, 13% dos 511 quilos de resíduos urbanos produzidos anualmente por cada cidadão, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Esta percentagem corresponde a apenas cerca de 57% da média da União Europeia.

Ainda assim, de acordo com os dados do INE, em Portugal, “as quantidades de resíduos recolhidas selectivamente duplicaram” entre 2004 e 2009, fixando-se no ano passado em 600 mil toneladas, ou seja, cerca de 67 quilos de resíduos urbanos recuperados por habitante.

Fonte: Público

   
   

Fluxos específicos de resíduos – Pilhas e Acumuladores

   

 

 

A Agência Portuguesa do Ambiente, no âmbito das suas competências e de acordo com o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação no mercado de pilhas e acumuladores e o regime de recolha, tratamento, reciclagem e eliminação dos resíduos de pilhas e acumuladores concedeu, no dia 22 de Julho de 2010, uma licença à Ecopilhas – Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda., para a organização e manutenção de um registo de produtores de pilhas e acumuladores.

Depois do licenciamento atribuído à ANREEE, primeira entidade a quem foi concedida a licença para o registo dos produtores desta tipologia de resíduos, passam assim a coexistir duas entidades de registo, com a curiosidade de uma delas acumular competências no registo e gestão de resíduos.

De acordo com referido diploma, devem registar-se todas as entidades que colocam pilhas e acumuladores, pela primeira vez, no mercado nacional. Estão incluídas desde as pilhas e acumuladores disponibilizadas isoladamente, às P&A incorporados em aparelhos e em veículos automóveis, independentemente da técnica de venda utilizada, incluindo a venda por comunicação à distância.

No caso da ANREEE, o processo de registo para produtores de P&A é realizado da mesma plataforma informática utilizada para o registo de REEE, à qual foram feitas as devidas adaptações e actualizado o nome para Sistema Integrado de Registo de Produtores (SIRP) respeitando sempre as mesmas regras para o utilizador.

   
   

Incêndios

   

Área ardida superior a 68.000 Hectares

 

Somente este ano já arderam em Portugal mais de 68.000 hectares, de acordo com os dados hoje difundidos pelo Sistema Europeu de Informação de Fogos Florestais (EFFIS). O maior incêndio registado em Portugal desde o início do ano consumiu 4797 hectares, na semana passada, na região de Dão e Lafões. Segundo os registos de satélite actualizados hoje pelo Concelho Europeu, esta é a área referente a parte dos incêndios que lavraram esta semana em Viseu (São Pedro do Sul).

Outra zona afectada por vários incêndios nos últimos dias e destacada pelo sistema europeu é a Serra da Estrela, na qual quatro fogos consumiram 9475 hectares, nas localidades de Girabolhos, São Romão, Vila Franca da Serra e Sandomil.

O Sistema Europeu de Informação de Fogos Florestais (EFFIS), do Centro de Investigação Conjunto do Conselho Europeu, divulga no seu endereço eletrónico que em Portugal, desde o inicio de Agosto, ocorreram pelo menos 10 incêndios com áreas ardidas superiores a 1000 hectares.

A Autoridade Florestal Nacional (AFN), na tutela do Ministério da Agricultura é a entidade responsável pela divulgação destes dados e publica periodicamente, aproximadamente de 15 em 15 dias, relatórios provisórios referentes aos incêndios e áreas ardidas em Portugal, registando apenas como "grandes incêndios" áreas ardidas superiores a 100 hectares.

A base de dados nacional de incêndios florestais contabiliza (de forma ainda provisória) entre Janeiro e 31 de Julho de 2010 um total de 8753 ocorrências, dos quais 1390 fogos em zonas florestais e 7363 fogachos, de que resultaram uma área total queimada de 19.346 hectares.
De acordo com o relatório definitivo da AFN de 2009, no ano passado arderam em Portugal 86.674 hectares e registaram-se 26.136 ocorrências de fogo.

Fonte: Expresso

   
   

Segurança Social com regras mais apertadas na atribuição subsídios sociais

   

 

 

A Segurança Social vai ter regras mais apertadas na atribuição e manutenção dos subsídios sociais no âmbito da parentalidade a partir de segunda-feira, com a entrada em vigor da nova lei de condição de recursos.
 
A protecção social na parentalidade - garantida às pessoas em situação de carência - consiste na atribuição de subsídios sociais nas situações de risco clínico durante a gravidez, de interrupção da gravidez, de nascimento de filhos, de adopção e de riscos específicos.
 
O montante atribuído a cada prestação deste âmbito corresponde a uma percentagem do Indexante de Apoios Sociais (IAS), que em 2010 é de 419,22 euros.
 
A nova lei de condição de recursos alarga os rendimentos a considerar para a atribuição e manutenção das prestações de natureza não contributiva, entre as quais os subsídios sociais no âmbito da parentalidade, mas também as prestações por encargos familiares, rendimento social de inserção e subsídio social de desemprego.
 
Além dos salários, passam assim a ser contabilizados outros rendimentos do agregado familiar, tais como os rendimentos de capitais e prediais, as pensões, as prestações sociais, os apoios à habitação com carácter de regularidade e as bolsas de estudo e formação.
 
O conceito de agregado familiar é ele próprio também alterado com a nova legislação, passando a ser consideradas todas as pessoas que vivam em comum com o beneficiário, incluindo parentes e afins maiores "em linha recta e em linha colateral até ao terceiro grau".
 
A medida, que faz parte do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), deverá gerar uma poupança na ordem dos 90 milhões de euros já este ano e dos 199 milhões de euros em 2011, segundo os dados avançados pelo Ministério do Trabalho.

Fonte: Oje

   
   

Economia da Zona Euro cresce ao ritmo mais rápido desde 2006

   

Economia da Zona Euro cresce ao ritmo mais rápido desde 2006

 

O crescimento económico da Zona Euro foi o mais rápido em quatro anos e superou as estimativas dos economistas, impulsionado pelo PIB alemão. O Produto Interno Bruto da região dos 16 países aumentou 1% no segundo trimestre face ao anterior, período em que avançou 0,2%, anunciou o instituto de estatísticas. Este foi o mais rápido crescimento desde 2006 e superou as previsões de 0,7% dos economistas consultados pela Bloomberg.

As exportações aumentaram 5,2% em Junho face a Maio, revelou um outro relatório. Em termos homólogos, o PIB da Zona Euro cresceu 1,7% depois de uma subida de 0,6% no primeiro trimestre. A melhoria do crescimento mundial ajudou a Zona Euro a ganhar força depois da crise da dívida grega ter forçado os governos a implementarem medidas de redução dos défices. A Alemanha, maior economia da Zona Euro, cresceu no trimestre em análise, ao ritmo mais rápido desde a reunificação

Fonte: Jornal de Negócios

   
   

Contas Nacionais Trimestrais – Estimativa Rápida 2º Trimestre de 2010

   

Produto Interno Bruto aumentou em volume 1,4% no 2º Trimestre de 2010

   

A Estimativa Rápida do Produto Interno Bruto (PIB) aponta para um aumento de 1,4% em volume no 2º trimestre de 2010 face ao período homólogo, o que compara com a variação de 1,8% registada no trimestre anterior. Face ao trimestre precedente o PIB terá registado um aumento de 0,2%.

No 2º trimestre verificou-se uma diminuição dos contributos da Procura Interna e da Procura Externa Líquida para a variação homóloga do PIB, comparativamente ao observado no trimestre anterior.

Fonte: INE

   
   

Vieira da Silva: crescimento económico foi "superior a todas as expectativas"

   

Produto Interno Bruto aumentou em volume 1,4% no 2º Trimestre de 2010

 

O ministro da Economia disse hoje que o crescimento da economia portuguesa no primeiro semestre do ano, da ordem dos 1,6%, foi "superior a todas as expectativas" que existiam no início do ano.

"Foi um crescimento muito mais robusto do que a generalidade dos analistas previam", disse Vieira da Silva à margem da assinatura de um contrato de incentivos no âmbito do QREN com a JJ Louro Pereira, empresa de móveis, estofos e colchões, em Amiais de Cima (Santarém).

O ministro afirmou que a estimativa do Governo para efeitos do Orçamento do Estado era de 0,7% de crescimento em 2010 e que, no primeiro semestre, "crescemos 1,6% comparativamente a 2009".

"Isso é obviamente um factor muito positivo de esperança para a recuperação da economia portuguesa, ainda mais quando sabemos que esses valores têm sido acompanhados por um crescimento das exportações muito significativo", afirmou.

Fonte: Jornal de Negócios

   
   

Volume de negócios nos serviços aumenta 7,2% em Junho, emprego e remunerações caem

     
 

O volume de negócios nos serviços registou, em Junho, uma taxa de variação homóloga de 7,2%, resultado superior em 1,1 pontos percentuais ao observado em Maio. Também em termos homólogos, o emprego e as remunerações diminuíram 0,4% e 2,0%, respectivamente, enquanto a variação das horas trabalhadas foi nula.

No 2º trimestre de 2010, a variação do volume de negócios nos serviços foi de 5,1% (1,4% no 1º trimestre).

Fonte: INE

   
   

Formação Modular Certificada - GRATUITA

   

 

 

A Formação Modular Certificada apresenta-se como um instrumento flexível e diversificado da oferta de formação contínua de activos, obedecendo e sendo desenvolvida segundo percursos de dupla certificação, com base no Catálogo Nacional de Qualificações (CNQ).

Destina-se a Adultos com idade igual ou superior a 18 anos, activos empregados, desempregados ou em risco de desemprego.

Vantagens

  1. Oferta Formativa Individualizada que pressupõe a frequência de unidades de formação de curta duração, de 25 ou 50 horas, em função das necessidades do candidato;
  2. Articulação com o processo de RVCC desenvolvido pelos Centros de Novas Oportunidades;
  3. Elevar os níveis de qualificação dos adultos, incrementando a competitividade das empresas;
  4. Possibilita o aperfeiçoamento e desenvolvimento profissional específico numa determinada área, promovendo a sua valorização em termos de conhecimentos e competências adquiridas, constituindo-se um complemento a outros projectos formativos;
  5. Permite responder às exigências legais no que respeita à Formação Profissional anual obrigatória para os trabalhadores das empresas;
  6. Possibilita o acesso gratuito, com a atribuição uma bolsa diária equivalente ao valor do subsidio de alimentação.

Neste âmbito, a APIEF (Centro de Formação de Lisboa, Porto e Guimarães) disponibiliza aos seus Associados e clientes individuais externos Formação Modular Certificada de nível 2 e 3 da componente tecnológica, constantes nos referenciais do CNQ, enquadradas nas áreas da Refrigeração, Climatização, Sistemas Solares Térmicos, Instalações Eléctricas, Electrotecnia, Soldadura e Ciências Informáticas (sugerimos a consulta do nosso site: www.apief.pt).

Alguns Destaques:

NOTA: Os interessados no aproveitamento das Novas Oportunidades deverão mencionar no CNO (Centro de Novas Oportunidades) onde iniciem o processo de RVCC por via do Protocolo existente entre a APIEF e a ANQ.

   
   

Estágios Profissionais - IEFP

   

LISBOA

 

O Centro de Formação de Lisboa para o Sector Terciário - IEFP, no âmbito das suas atribuições, está a realizar uma série de cursos que no final da formação leva os formandos a realizar uma formação prática em contexto de trabalho, vulgo, estágio sendo necessária a participação de empresas para podermos concluir o processo formativo. Assim, necessita o Centro de Formação para o Sector Terciário do IEFP de parceiros para acolher estagiários nas áreas que se indicam:

  • TÉCNICO DE SECRETARIADO – APRENDIZAGEM  - 30 de Agosto a 11 de Outubro de 2010 - 200 horas - entrada com um mínimo de 09º ano e saída com 12º ano - adultos entre os 18 e 25anos

  • PROGRAMADOR DE INFORMATICA – EFA NS  - 08 de Setembro de 2010 a  18 de Outubro de 2010 - 210 horas - entrada com um mínimo de 09º ano e saída com 12º ano - adultos entre os 20 e 45 anos - Educação Formação de Adultos – Nível Secundário

Aspectos Técnicos:

  • Não existe qualquer contrapartida financeira de parte a parte;
  • Os custos com os formandos bem como os seguros são suportados pelo IEFP;
  • Necessária a designação de um Tutor;
  • No final da formação terá que ser enviada uma avaliação;
  • No final de cada mês terá que ser enviada a assiduidade dos formandos via fax ou email;
  • Assinatura de um protocolo / contrato entre as entidades envolvidas.

Os interessados deverão manifestar interesse junto dos contactos que a seguir se indicam:

Contactos:
Nelson Rodrigues

Centro de Formação Profissional do Sector Terciário
DL-FST - Centro de Formação Profissional do Sector Terciário

I.E.F.P. - Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P.
Rua da Emenda, 41-47 - 1200-169 Lisboa - PORTUGAL
http://www.iefp.pt

Tel: +351 213 214 180/2/8 | Fax: +351 213 428 307
E-mail: nelson.rodrigues@iefp.pt

     
   
     

» LISBOA
Isabel Fonseca
Tel: 213 224 265
Telm: 967 830 953
Fax: 213 474 576
formacao@apirac.pt
formacao@apief.pt

» PORTO
Dra. Patrícia Maia
Tel: 222 088 837
Telm: 964 942 932
Fax: 213 474 576
apirac.porto@apirac.pt
formacao.porto@apief.pt

» GUIMARÃES
Dra. Maria José
Tel: 253 554 288
Telm: 967 446 860
Fax: 213 474 576
apirac.guimaraes@apirac.pt
formacao.guimaraes@apief.pt

 


     
   
   

Novo processo de conversão de energia solar

     

 

 

Investigadores da universidade de Stanford, nos Estado Unidos, descobriram como usar simultaneamente a luz e o calor do sol para gerar electricidade.

A técnica tem potencial para produzir energia solar com o dobro da eficiência dos métodos existentes, tornando-a barata o suficiente para competir com as centrais termoeléctricas que queimam derivados de petróleo.

Este processo, “Photon Enhanced Thermionic Emission”(PETE), pretende ser mais eficiente que as actuais tecnologias de conversão fotovoltaica e que as centrais térmicas que usam o calor do sol para gerar a electricidade.

Ao contrário das células solares actualmente usadas nos painéis solares, que perdem eficiência quando a temperatura aumenta, o novo dispositivo destaca-se justamente pelo bom funcionamento a altas temperaturas. A célula solar PETE junta num único componente o mecanismo quântico das células solares, os fotões excitam os electrões, com o mecanismo térmico que usa a luz do sol concentrada como fonte de energia térmica para produzir electricidade indirectamente por meio de uma fonte quente.

A maioria das células solares usa o silício para converter a energia dos fotões da luz do sol em electricidade. O inconveniente é que essas células absorvem apenas uma parte do espectro da luz, com o restante geram apenas calor.

O grupo de Melosh, coordenador desta investigação, descobriu que revestir um material semicondutor com uma fina camada do metal de césio torna o material capaz de usar tanto a luz quanto a calor para gerar electricidade. “O que nós demonstramos é um novo processo físico que não é baseado nos mecanismos fotovoltaicos conhecidos, mas que é capaz de dar uma resposta fotovoltaica sob temperaturas muito altas," disse Melosh."Na verdade, ele funciona melhor em temperaturas mais elevadas. Quanto mais alta a temperatura, melhor. "Com o material adequado a eficiência real do processo pode chegar aos 50 ou 60%”, acrescenta Nick Melosh.

Se quiser saber um pouco mais sobre o assunto, clique aqui.

Boa viagem!

     
   
    Datas para pagamento de impostos
     
   

     
   
   

Ministério do Trabalho e da Segurança Social

     
   

Portaria n.º 681/2010. D.R. n.º 156, Série I de 2010-08-12 - Procede à segunda alteração das Portarias n.os 129/2009, de 30 de Janeiro, que regulamenta o Programa Estágios Profissionais, e 131/2009, de 30 de Janeiro, que regulamenta o programa de Estágios Qualificação-Emprego, e altera a Portaria n.º 127/2010, de 1 de Março, que regulamenta o Programa de Estágios Profissionais - Formações Qualificantes de níveis 3 e 4.

   

     
   

Portaria n.º 598/2010. D.R. n.º 148, Série I de 2010-08-02 - Aprova os modelos do requerimento do rendimento social de inserção, do requerimento do abono de família pré-natal e do abono de família para crianças e jovens e da declaração da composição e rendimentos do agregado familiar.

   
   

Assembleia da república

     
   

Lei n.º 16/2010. D.R. n.º 147, Série I de 2010-07-30 - Excepciona os bares, cantinas e refeitórios das associações sem fins lucrativos do regime geral de licenciamento.

   
     
   

Resolução da Assembleia da República n.º 82/2010. D.R. n.º 147, Série I de 2010-07-30 - «Regime de caixa» de exigibilidade do IVA - generalização dos regimes especiais de exigibilidade às microempresas.

   
     
   

Lei n.º 15/2010. D.R. n.º 143, Série I de 2010-07-26 - Introduz um regime de tributação das mais-valias mobiliárias à taxa de 20 % com regime de isenção para os pequenos investidores e altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares e o Estatuto dos Benefícios Fiscais.

   
   

Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento

     
   

Decreto-Lei n.º 92/2010. D.R. n.º 143, Série I de 2010-07-26 - Estabelece os princípios e as regras necessárias para simplificar o livre acesso e exercício das actividades de serviços e transpõe a Directiva n.º 2006/123/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Dezembro.

   
   

Ministérios do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação

     
   

Portaria n.º 537/2010. D.R. n.º 138, Série I de 2010-07-19 - Cria o Selo de Empresa Qualificante e aprova o Regulamento de Candidatura à Atribuição do Selo de Empresa Qualificante, o Regulamento do Modelo de Logótipo de Identificação de Empresa ou Entidade a Quem Foi Atribuído o Selo de Empresa Qualificante, a matriz de avaliação de candidaturas à atribuição do Selo de Empresa Qualificante e o modelo de diploma de atribuição do Selo de Empresa Qualificante.

     
   

 

   
    APIEF
    Estágios Profissionais em Empresas do SECTOR, GRATUITOS e SEM ENCARGOS
 

» Sistema Aprendizagem - Colocação de formandos em Entidades de Apoio à Alternância

A APIEF – Centro de Formação Profissional de Indústria Térmica, Energia e Ambiente, na sequência do protocolo estabelecido com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a APIRAC - Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado, aguardam candidaturas das empresas para colocação de Formandos na vertente:

As empresas interessadas em receber formandos, queiram por favor contactar ou através de e-mail formacao@apirac.pt ou através do n.º de telefone 213 224 260, de forma a registarmos o vosso interesse.

     
   
     
   

CLIMAMED 2011 - 1st call for papers

    Madrid, ESPANHA | 2 a 3 de Junho de 2011

 

Já na sua 6ª edição, o CLIMAMED’11 terá lugar em Madrid, Espanha, durante os dias 2 e 3 de Junho de 2011.

O 1st call for papers é a 1ª chamada aos oradores interessados em poderem apresentar a sua manifestação em participar no próximo CLIMAMED.

Estes são os 9 temas proposto para o Congresso:

  • Energia Solar Térmica e outras Energias Renováveis e suas aplicações aos Sistemas de Climatização
  • Eficiência Energética em Edifícios
  • Manutenção e Exploração de Edifícios
  • Impacto Ambiental e Protecção do Meio Ambiente
  • Qualidade do Ar Interior e Saúde
  • Sistemas de Ventilação
  • Parâmetros de Conforto: significado, aplicação e seu controlo
  • Qualidade das Instalações
  • Normalização e Regulamentação
Consultem o prospecto do evento, clicando aqui

Mais informações:
ATECYR - info@atecyr.org · Tel. 91 767 13 55 · Fax. 91 767 06 38
www.atecyr.org

   
   

Semana Europeia da Prevenção de Resíduos 2010

    20 a 28 de Novembro de 2010

 

A Semana Europeia da Prevenção de Resíduos é um projecto de 3 anos e tem o apoio do Programa LIFE+ da Comissão Europeia até 2011. Em 2010, a Semana realiza-se entre o dia 20 e o dia 28 de Novembro de 2010.
Porquê uma Semana Europeia ? Para…

  • Dar a conhecer as estratégias de prevenção de resíduos e a política da União Europeia e dos seus Estados membros nesta matéria
  • Promover acções sustentáveis de prevenção de resíduos por toda a Europa
  • Realçar o trabalho realizado por diversos intervenientes, através de exemplos concretos de prevenção de resíduos
  • Incentivar uma mudança de comportamento dos Europeus (consumo, produção) no dia-a-dia.

Mais informações:
http://www.ewwr.eu/pt-pt/como-participar

     
   
    Se pretender fazer um coméntário ou deixar-nos a sua opinião, clique aqui!
     
 

Patrocinadores Newsletter