A Segurança e Saúde no trabalho são actualmente preocupações quer ao nível das políticas públicas, quer ao nível das próprias empresas. É fundamental a sensibilização de todos os intervenientes na Segurança e Saúde do trabalho, indo de encontro ao objectivo de redução de 25% da taxa total de incidência de acidentes de trabalho na União Europeia (UE), estabelecido na nova estratégia comunitária para o período de 2007-2012.

Neste contexto, é indispensável uma oferta de formação profissional específica que permita aumentar as competências numa área com exigências tão elevadas.

Sensível a esta conjuntura, a APIEF preparou um pedido de homologação à ACT - Autoridade para as Condições de Trabalho, com vista à viabilização de cursos de Técnico de Segurança e Higiene do Trabalho (Nível 3- 12º ano) e Curso de Técnico Superior de Segurança e Higiene no Trabalho (Nível 5- Pós Graduação), tendo obtido um parecer positivo por parte dessa entidade.

Ao introduzir, no seu Plano de Formação, ofertas formativas na área da Segurança e Higiene do Trabalho (SHT), a APIEF pretende ir ao encontro das necessidades do mercado, respondendo desta forma ao apelo feito por um conjunto de empresas. Este apelo foi manifestado através do diagnóstico de necessidades aplicado ao universo das empresas, associadas da APIRAC. Das empresas que responderam, 48%, indicam como área preferencial de formação a Segurança e a Higiene do Trabalho.

Recordamos que para as empresas interessadas em subida de classe 5, 6, 7 ou 8, independentemente da Categoria ou Subcategoria de alvará, encontrará como requisito de acesso a verificação de existência em quadro de pessoal de profissionais com habilitações de nível 3 ou nível 5, consoante as situações (Quadro Mínimo de Pessoal - Portaria n.º 16/2004, de 10 de Janeiro).

Para a APIEF será o primeiro passo na certificação de pessoas no domínio da SHST, entendido como de extrema importância para o sector da Indústria Térmica Energia e Ambiente. São duas ofertas as distintas agora disponibilizadas, cujo perfil de saída se adequará às necessidades do mercado.

O Curso de nível 3 – Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho, destinado a jovens que possuam no mínimo o 12º ano de escolaridade e que pretendam vir a exercer actividade na área da Segurança e Higiene do Trabalho. Estas habilitações conferem ao técnico/ profissional a competência para, de forma autónoma ou integrado numa equipa, aplicar os instrumentos e técnicas específicas para o desenvolvimento das actividades de prevenção e protecção contra riscos profissionais. Pretende-se conseguir a interiorização na empresa de uma verdadeira cultura de segurança, salvaguardando a segurança e saúde dos trabalhadores, de acordo com a Legislação e as normas em vigor. O curso de nível 3 terá início em Fevereiro de 2011 e funcionará em horário pós laboral de quarta a sexta-feira.

O Curso de nível 5 - Técnico Superior de Segurança e Higiene no Trabalho é destinado Licenciados ou Bacharéis que pretendam vir a exercer actividade na área da Segurança e Higiene do Trabalho. Estas habilitações conferem ao técnico/ profissional a competência para desenvolver, coordenar e controlar as actividades de prevenção e de protecção contra os riscos profissionais. O curso de nível 5 terá início em Fevereiro de 2011 e funcionará em horário pós laboral Quinta e Sexta-feira

Valerá a pena realçar que uma das mais valias de cada uma destas duas ofertas consiste na obtenção de uma dupla Certificação. Além do CAP Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho, será também possível obter-se Certificação de Aptidão Pedagógica de Formador (CAP). Este módulo de formação de formadores, será realizado em parceria com a Fundação para a Divulgação das Tecnologias de Informação (FDTI).

Assim, assumirá esta oportunidade uma dupla vantagem: a de fortalecer o quadro de pessoal com habilitações que objectivamente transferirão para a empresa competências que a dispensarão de custos de pessoal adicionais; e a habilitação de formador para acções de formação internas reconhecidas de acordo com o previsto pela Lei Geral do Trabalho e respectiva Regulamentação, permitindo assim, sem mais uma vez custos de pessoal adicionais, cumprir com índices de formação anual a que a empresa se encontra obrigada.

    Filipa Mendes
Técnica de Formação| APIRAC
     
   
   

Relatório da ERSAR

    Portugal com 98% da água de boa qualidade

 

Cerca de 98 por cento da água que é consumida pelos portugueses é de boa qualidade. De acordo com o relatório Qualidade da Água para Consumo Humano em Portugal, divulgado esta manhã pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), apenas dois por cento das análises efectuadas às entidades gestoras relevaram incumprimento de valores paramétricos em 2009.

Pela primeira vez todas as entidades gestoras submeteram o relatório de controlo da qualidade da água à entidade reguladora, tendo realizado a quase totalidade das análises regulamentares (99,99 por cento). Destas, 99,71 por cento cumpriram os valores paramétricos.

«Queremos chegar aos 99 por cento, o que nos colocará entre os melhores resultados da Europa, mas para isso ainda temos de trabalhar bastante porque estes casos de incumprimento verificam-se sobretudo em zonas interiores, com a população muito dispersa, onde as infra-estruturas se encontram mais espalhadas e as estruturas municipais são mais frágeis», explica Jaime Melo Baptista, presidente da Direcção da ERSAR.

Fonte: Ambienteonline

   
   

Nissan quer vender 1500 carros eléctricos em Portugal até 2012

   

 

 

O anúncio foi feito no Salão Automóvel de Paris 2010, numa pré-apresentação à imprensa: a Nissan vai produzir, até Março de 2012, 20 000 veículos eléctricos, sendo que em pré-encomendas – dos Estados Unidos e do Japão – já estão contabilizados 26 000 carros.

Portugal será o primeiro mercado europeu a receber o Nissan Leaf, um veículo 100 por cento eléctrico. O objectivo, segundo a marca, é vender 1 500 carros até Março de 2012. O preço rondará os 30 000 euros, sendo que pode ser comprado a 500 euros mensais, sem entrada.

«A crise não afectou a estratégia da Nissan relativamente à questão das zero emissões. Está só a começar», sublinhou Toshiyuki Shiga, Chief Operating Officer da marca.

Fonte: Ambienteonline

   
   

Energia

   

Extinção de tarifas reguladas publicada em Diário da República

 

Foi publicado esta quarta-feira em Diário da República o decreto-lei que extingue as tarifas reguladas de electricidade para empresas e indústrias e introduz um regime de venda livre, a partir de 01 de Janeiro de 2011.

«O Governo preconiza um processo progressivo de eliminação das tarifas reguladas, salvaguardando o interesse dos consumidores mais vulneráveis», refere o DL n.º 104/2010.

A extinção das tarifas reguladas aplica-se aos clientes finais com consumos de um determinado nível (Muito Alta Tensão, Alta Tensão, Média Tensão e Baixa Tensão Especual), ficando de fora os clientes domésticos.

Os comercializadores de último recurso devem continuar a fornecer electricidade a estes clientes até 31 de Dezembro de 2011, sendo aplicada uma tarifa de venda provisória, fixada pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos.

Fonte: Ambienteonline

   
   

Ministério quer taxa fiscal contra especulação na nova Lei do Solo

     
 

No lançamento público do processo de definição da nova Lei do Solo, a ministra do Ambiente e Ordenamento do Território, Dulce Pássaro, defendeu a necessidade de incluir novos mecanismos financeiros no futuro quadro legal. O objectivo é, por um lado, compensar e dar “justeza” às várias utilizações do solo, de forma independente às mais-valias urbanísticas. Por outro, o ministério acredita que terá que ser implementada uma taxa fiscal a proprietários de solos urbanos parados em retenção especulativa.

«Esta é uma das formas de desincentivar que os terrenos urbanos estejam parados à espera de mais oferta», afirmou, ontem, Dulce Pássaro, à saída da sessão de debate público sobre a nova Lei do Solo. A titular da pasta do Ambiente presidiu à abertura da sessão, durante a qual foi avançada a meta de Julho de 2010 como data a apresentar um documento oficial de proposta de lei, por parte do Governo.

Quanto ao mecanismo financeiro de compensação, o ministério pretende usá-lo como compensação a proprietários de solos em zonas protegidas, que têm de lidar com várias restrições à utilização. «Este fundo financeiro terá que ser suprido precisamente através de parte das mais-valias, que resultam também de investimento público e que privilegiam terrenos de privados», considerou a ministra.

No entanto, Dulce Pássaro salientou que o conteúdo final da proposta legislativa será fruto de todo um processo de debate e análise das várias componentes a ter em conta. «Pretendemos, por um lado, salvaguardar a função ambiental, agrícola e ecológica do solo, mas por outro pretendemos também que o solo possa ser disponibilizado para as várias actividades, de forma equilibrada e justa».

O novo documento, que vai substituir a Lei dos Solos de 1976 de carácter essencialmente urbanista, deverá estabelecer o regime jurídico do solo, enquadrar e articular os vários instrumentos de política de solos e harmonizar os diferentes critérios de classificação do solo, entre outros pontos de actuação que estiveram em debate na sessão de lançamento do processo legislativo.

Fonte: Ambienteonline

   
   

Crise

   

Medidas de Austeridade

 

O Governo aprovou em Conselho de Ministros um conjunto de medidas adicionais de consolidação orçamental, em que se baseará a proposta de Orçamento do Estado para 2011. Algumas delas serão antecipadas para reforçar a execução orçamental de 2010.

A proposta a apresentar pelo Governo para o Orçamento do Estado para 2011 materializará um conjunto de medidas que se concentram principalmente na redução da despesa (2% do PIB). Estas medidas serão complementadas com medidas de aumento da receita, quer no que respeita à despesa fiscal (como já previsto no Programa de Estabilidade e Crescimento) quer no que respeita ao aumento da receita fiscal e não fiscal. A componente fiscal destas medidas representará aproximadamente 1% do PIB.

Conheça em pormenor as medidas preconizadas no documento emitido pelo Ministro das Finanças clicando aqui

Fonte: Diário Económico

   
   

Austeridade

   

Europa apoia contenção mas pede reformas económicas

 

Os ministros europeus querem plano de reformas aprovado até Novembro para impulsionar o crescimento.

A Europa quer que as medidas de austeridade apresentadas pelo Governo sejam acompanhadas de reformas estruturais que impulsionem o crescimento da economia. Na reunião de 30.09 dos ministros das Finanças da zona euro - Eurogrupo - os responsáveis europeus aplaudiram a nova vaga de austeridade, mas pressionaram Portugal a apresentar um plano de reformas macroeconómicas até Novembro. Teixeira dos Santos reconhece que tais reformas são importantes, mas dará primazia à consolidação orçamental.

Uma boa parte da reunião da manhã do Eurogrupo - que precedeu o Ecofin, realizado à tarde - foi dedicada analisar a situação portuguesa, reconheceu o ministro das Finanças. "Tive oportunidade de expor aos meus colegas, com algum detalhe, o conjunto de medidas que foram ontem anunciadas", começou por dizer Teixeira dos Santos à saída do Eurogrupo, acrescentando que "a reacção foi muito positiva". E não se mostrou preocupado com a contestação que possa vir a ter: "Posso dizer que dormi muito mal para tomar estas medidas. Mas se não as tomasse, não sei se conseguiria dormir", ironizou.

Fortemente criticado em Portugal, o Governo foi ontem muito aplaudido pelas grandes figuras comunitárias, que reservaram rasgados elogios ao que consideram ser uma vaga de austeridade credível e corajosa. Ainda antes da reunião, o presidente do Eurogrupo afirmava que as medidas eram "sérias" e que tinham deixado os ministros do euro "satisfeitos". Mas, à saída, lembrou que o problema vai mais além das contas públicas

Fonte: Diário Económico

   
   

Estado

   

Pagamentos a Fornecedores

 

A Madeira piorou os prazos médios de pagamento no segundo trimestre, com os fornecedores a esperarem 221 dias para receber o dinheiro, mais do dobro do que esperavam no mesmo período de 2009. De acordo com os dados divulgados ontem pela Direcção-Geral do Orçamento (DGO), no segundo trimestre de 2009, o prazo médio de pagamento era de 109 dias.

Mas os atrasos não são exclusivos do da região autónoma governada por Alberto João Jardim, que mostra subidas consecutivas entre trimestres. A DGO publicou também a lista com o prazo médio de pagamento dos serviços públicos da administração directa e indirecta do Estado. E aqui o sector da saúde fica mal na fotografia, com o maior número de entidades que não cumpre a lei que obriga os organismos públicos a pagar num prazo de 90 dias. No entanto, são muitas as entidades que ultrapassam aquele prazo.

O Centro Hospitalar do Oeste Norte, por exemplo, encabeça a lista negra publicada ontem pela DGO, como o pior pagador, tendo demorado 312 dias a pagar as suas dívidas no segundo trimestre do ano. Da lista constam 29 entidades, entre hospitais, organismos de defesa, da educação e da cultura. Mas no pódio está o sector da saúde. Fora deste segmento, estão 13 entidades, entre elas as oficinas gerais de fardamento e equipamento - que demoram 154 dias - o gabinete de prevenção e investigação de acidentes com aeronaves - 132 dias - e a GNR - que demorou em média 100 dias a pagar as suas dívidas no segundo semestre, entre outros. O problema tornou-se, entretanto, mais grave, com a entrada em vigor da lei que obrigava os serviços a terem de pagar juros de mora.

Os dados divulgados para o segundo trimestre para a administração central não são comparáveis com os do primeiro, uma vez que, devido à entrada em vigor do Orçamento do Estado em Abril deste ano, a informação foi agregada e engloba os primeiros seis meses do ano.

Fora do âmbito dos serviços da administração directa e indirecta do Estado estão os hospitais empresa (EPE), que divulgaram os seus prazos na semana passada. De acordo a Direcção Geral do Tesouro e Finanças, o prazo médio de pagamento dos hospitais EPE voltou a agravar-se no segundo trimestre do ano para 196 dias. Nos primeiros três meses do ano, os hospitais demoravam, em média, 173 dias a pagar aos fornecedores.

Fonte: Diário Económico

   
   

Microentidades - Simplificação das normas e informações contabilísticas

     
 

Foi publicada no Diário da República nº 171, Série I de 02-09-2010, a Lei nº 35/2010, que institui um regime especial simplificado das normas e informações contabilísticas em vigor aplicáveis às designadas microentidades.

Começa-se por enquadrar as empresas que serão consideradas como microentidades, ou seja aquelas que não ultrapassem durante dois anos consecutivos dois dos três limites: (a) total do balanço de € 500 000, (b) volume de negócios líquido de € 500 000; e (c) o número médio de empregados durante o exercício seja de 5 trabalhadores.

Esta Lei vem criar um regime de excepção com carácter optativo para a aplicação do Sistema de Normalização Contabilística (SNC), uma vez que as microentidades poderão adoptar normas contabilísticas simplificadas que serão objecto de regulamentação num prazo máximo de 45 dias, estando ainda dispensadas da entrega dos anexos L, M e Q da Informação Empresarial Simplificada (IES).

Fonte: BTOC

   
   

Novos Associados

   
 

Só desta forma podemos crescer, evoluir e cada vez mais contribuir para a afirmação deste Sector.

Este mês temos o prazer de receber no nosso directório as seguintes empresas:

• AR DIAGNOSTIC - Tecnologias de Monitorização e Controlo de Ar, Lda
• FONTESATISFAÇÃO, Unipessoal, Lda
• FRANBEL, Lda
• KLIMA D'AVENTURA, Unipessoal, Lda
• M. A. BOTELHO - Ar Condicionado, Lda
• PLURIENERGIA - Energia Solar e Eficiência Energética, Lda

     
   
   

Apresentação de candidaturas POPH/QREN “Formação para a Inovação e Gestão”

   

De 15 de Setembro a 28 de Outubro de 2010



 

A comissão directiva do Programa Operacional Potencial Humano, de acordo com o sistema de incentivos do QREN, anunciou a abertura de concurso para a apresentação de candidaturas, no âmbito da Tipologia de Intervenção “Formação para a Inovação e Gestão”, a decorrer no período de 15 de Outubro a 28 de Setembro de 2010.

As entidades beneficiárias a considerar na presente candidatura são micro, pequenas e médias empresas que procuram promover e incrementar estratégias organizacionais em matéria de inovação, reforço da produção de bens e serviços transaccionáveis, bem como contribuir para o desenvolvimento de competências técnicas e sociais dos seus colaboradores, mediante a realização de acções de formação de reciclagem, actualização e/ou aperfeiçoamento, no intuito de elevar e consolidar a sua actividade e área(s) de negócio. O financiamento das acções de formação a iniciar em 2011 foi definido de acordo com a localização das empresas, designadamente: regiões de convergência (norte, centro e Alentejo), Algarve e Lisboa.

O Aviso e Regulamento da candidatura (Despacho nº 18362/2008, de 9 de Julho) encontram-se disponíveis para consulta no sítio: www.poph.qren.pt, com informação sobre o enquadramento do concurso, condições de acesso e elegibilidade financeira aos projectos formativos, critérios de selecção, análise e decisão.

Conscientes do importante papel que a formação profissional desempenha no seio das organizações quanto à qualificação dos recursos humanos e melhoria da qualidade e adaptação dos serviços prestados, e perspectivando o cumprimento do Código do Trabalho que estipula aos activos efectivos o dever anual de formação contínua certificada, de 35 horas por trabalhador, consideramos pertinente a apresentação da candidatura por parte das empresas à tipologia “Formação para a Inovação e Gestão”, pois o respectivo financiamento poderá ser um elemento facilitador para o cumprimento dos objectivos e metas mencionadas.

As empresas não habilitadas a executarem acções de formação co-financiada em conformidade com os requisitos legais exigidos na apresentação de candidaturas a Incentivos ao Investimento das Empresas no QREN, podem efectivá-lo mediante a solicitação de serviços de consultadoria a entidades acreditadas pela Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT).

A APIEF enquanto entidade Acreditada pela DGERT detém o reconhecimento formal proporcionado por este organismo, conferindo-lhe capacidade técnico-pedagógica para desenvolvimento de actividades de formação profissional, nos seguintes domínios:

  • Concepção de intervenções, programas, instrumentos e suportes formativos;
  • Organização e Promoção de intervenções ou actividades formativas;
  • Desenvolvimento/ execução de intervenções ou actividades formativas.

Neste âmbito, a APIEF poderá prestar apoio a empresas que pretendam instrução na elaboração técnica do processo de candidatura; elaboração do plano de formação e respectiva execução de acções de formação, integradas no sector da indústria térmica, energia e ambiente, de acordo com nossa oferta formativa, mediante a prestação de serviços de consultadoria. O Regulamento supracitado prevê o financiamento na aquisição de serviços de consultadoria a entidades formativas externas.

     
   
     

» LISBOA
Isabel Fonseca
Tel: 213 224 265
Telm: 967 830 953
Fax: 213 474 576
formacao@apirac.pt
formacao@apief.pt

» PORTO
Dra. Patrícia Maia
Tel: 222 088 837
Telm: 964 942 932
Fax: 213 474 576
apirac.porto@apirac.pt
formacao.porto@apief.pt

» GUIMARÃES
Dra. Maria José
Tel: 253 554 288
Telm: 967 446 860
Fax: 213 474 576
apirac.guimaraes@apirac.pt
formacao.guimaraes@apief.pt

 


     
   
   

HFO-1234yf c/ GWP=4

     

 

 

O título parece desinteressante e para alguns será um mistério! Mas não, está muito mais perto dos nossos interesses profissionais do que muitos de nós poderemos pensar.

Já não nos passam ao lado as preocupações ambientais derivadas do elevado potencial de aquecimento global (GWP) dos nossos fluidos actualmente utilizados, os substitutos do divulgadíssimo e condenado HFC22, os agora vulgarizados R134a, R407C, R410A ou R507.

Já começámos a ouvir que a tendência a nível europeu está a desenhar-se para a utilização do CO2 e dos fluidos de baixo GWP nos nossos sistemas frigoríficos e de ar condicionado. Começamos, aos poucos e poucos, a ver aparecerem as utilizações de propano, butano e isobutano e suas misturas, em aplicações correntes de climatização ou refrigeração. Pois é, é exactamente por aqui que as próximas inovações vão começar a exigir novas competências aos nossos técnicos de AVAC&R. E para não sermos apanhados de surpresa cremos que valerá a pena começarmos a conhecer os fluidos que, a mais breve ou longo prazo, serão o nosso dia-a-dia.

Os grandes fabricantes mundiais de derivados do petróleo, a DuPont e a Honeywell, já estão a fabricar e vão lançar em comercialização a partir de 2011 um novo fluido frigorigéneo do tipo Hidro-Flúor-Olefina (HFO) de designação química Tetrafluorpropeno, referenciado como HFO-1234yf, cujas características e aplicações (para já) o assemelham bastante ao R134a, ou seja pode passar a substituir este nas aplicações onde ele é usado, e no imediato, em ar condicionado automóvel (onde os propano, butano e isobutano servem bem, mas têm criado algumas inseguranças).
      
É um fluido praticamente sem impacto ambiental, com GWP=4 e com um tempo de vida, depois de libertado na atmosfera, cerca de 400 vezes inferior ao do R134a. Relembremos como isto vai ao encontro da Directiva Europeia que obriga a partir de 2011, em A/C automóvel, a utilização obrigatória de fluidos com GWP<150.

Neste site que vos sugerimos poderão ainda encontrar
um conjunto de interessante documentação técnica possível de se fazer download, (ainda que em inglês, mas acessível) sobre a segurança na utilização e no manuseamento deste novo fluido, a evolução do processo do seu aparecimento até à consolidação que se lhe reconhece, ou ainda, sobre as perspectivas do sector a partir da sua existência. Boa visita e boa recolha de dados de trabalho!  

Para saber mais sobre o HFO-1234yf clique aqui

Boa viagem!

     
   
    Datas para pagamento de impostos
     
   

     
   
   

Assembleia da República

     
   

Lei n.º 43/2010. D.R. n.º 172, Série I de 2010-09-03 - Altera o período das férias judiciais, procedendo à 13.ª alteração à Lei n.º 3/99, de 13 de Janeiro, e à 5.ª alteração à Lei n.º 52/2008, de 28 de Agosto, revogando o Decreto-Lei n.º 35/2010, de 15 de Abril.

   

   

Presidência do Conselho de Ministros

     
   

Resolução do Conselho de Ministros n.º 75/2010. D.R. n.º 185, Série I de 2010-09-22 - Estabelece as regras de implementação do regime de cobrança de taxas de portagem em todas as auto-estradas sem custos para o utilizador (SCUT).

   
   

Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento

     
   

Decreto-Lei n.º 104/2010. D.R. n.º 190, Série I de 2010-09-29 - Estabelece o procedimento aplicável à extinção das tarifas reguladas de venda de electricidade a clientes finais com consumos em muita alta tensão (MAT), alta tensão (AT), média tensão (MT) e baixa tensão especial (BTE) e procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 29/2006, de 15 de Fevereiro, e à quinta alteração ao Decreto-Lei n.º 172/2006, de 23 de Agosto.

   
   

Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território

     
   

Portaria n.º 993/2010. D.R. n.º 190, Série I de 2010-09-29 - Estabelece a taxa devida à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) pelo acesso e utilização do Registo Português de Licenças de Emissão (RPLE).

   
   

Ministério do Trabalho e da Soledariedade Social

     
   

Portaria n.º 994/2010. D.R. n.º 190, Série I de 2010-09-29 - Determina a validade dos certificados de aptidão pedagógica de formador, emitidos ao abrigo do Decreto Regulamentar n.º 66/94, de 18 de Novembro.

   
   

Ministério da Saúde

     
   

Portaria n.º 994-A/2010. D.R. n.º 190, Suplemento, Série I de 2010-09-29 - Primeira alteração à Portaria n.º 924-A/2010, de 17 de Setembro, que define os grupos e subgrupos farmacoterapêuticos que integram os diferentes escalões de comparticipação do Estado no preço dos medicamentos.

   

 

   
    Estágios Profissionais
Sistema Aprendizagem
    Estágios Profissionais em Empresas do SECTOR, GRATUITOS e SEM ENCARGOS



 

» Colocação de formandos em Entidades de Apoio à Alternância

A APIEF – Centro de Formação Profissional de Indústria Térmica, Energia e Ambiente, na sequência do protocolo estabelecido com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a APIRAC - Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado, aguardam candidaturas das empresas para colocação de Formandos na vertente:

A APIEF vai iniciar mais uma série de cursos que no final que no decurso da formação leva os formandos a realizar uma formação prática em contexto de trabalho, vulgo, estágio sendo necessária a participação de empresas para podermos concluir o processo formativo. Assim, necessita o nosso Centro de Formação de parceiros para acolher estagiários nas áreas que se indicam:

  • TÉCNICO DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO – APRENDIZAGEM Duas turmas - 40 Estagiários

  • INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS – APRENDIZAGEMUma turma - 20 Estagiários

Aspectos Técnicos:

  • Não existe qualquer contrapartida financeira de parte a parte;
  • Os custos com os formandos bem como os seguros são suportados pelo IEFP;
  • Necessária a designação de um Tutor;
  • No final da formação terá que ser enviada uma avaliação;
  • No final de cada mês terá que ser enviada a assiduidade dos formandos via fax ou email;
  • Assinatura de um protocolo / contrato entre as entidades envolvidas.

Os interessados deverão manifestar interesse junto dos contactos que a seguir se indicam:

Contactos:
Dra. Margarida Alvadia

Tel: +351 213 540 011
e-mail: margarida.alvadia@apief.pt

     
   
     
   

CLIMAMED 2011 - 1st call for papers

    Madrid, ESPANHA | 2 a 3 de Junho de 2011

 

Já na sua 6ª edição, o CLIMAMED’11 terá lugar em Madrid, Espanha, durante os dias 2 e 3 de Junho de 2011.

O 1st call for papers é a 1ª chamada aos oradores interessados em poderem apresentar a sua manifestação em participar no próximo CLIMAMED.

Estes são os 9 temas proposto para o Congresso:

  • Energia Solar Térmica e outras Energias Renováveis e suas aplicações aos Sistemas de Climatização
  • Eficiência Energética em Edifícios
  • Manutenção e Exploração de Edifícios
  • Impacto Ambiental e Protecção do Meio Ambiente
  • Qualidade do Ar Interior e Saúde
  • Sistemas de Ventilação
  • Parâmetros de Conforto: significado, aplicação e seu controlo
  • Qualidade das Instalações
  • Normalização e Regulamentação
Consultem o prospecto do evento, clicando aqui

Mais informações:
ATECYR - info@atecyr.org · Tel. 91 767 13 55 · Fax. 91 767 06 38
www.atecyr.org

   
   

Novas Rotas no Combate à Crise

   

Auditório do Padrão dos Descobrimentos em Belém | 19 de Outubro'10 08h30 às13h ( Almoço e visita ao Padrão incluídos)



 

Serão debatidas no próximo dia 19 de Outubro, no Auditório do Padrão dos Descobrimentos, soluções de gestão que poderão auxiliar as empresas no actual cenário de Crise.

A Conferência de alto nível de interesse técnico, científico, político e social no panorama actual, é gratuita e irá promover um debate de grande interesse do ponto de vista dos especialistas, mas também do público em geral; reunirá administradores, directores executivos e interessados na temática, tem como anfitriã a BTOC – Business | Technology | Outsourcing | Consulting; “marca” que oferece a experiência dos seus colaboradores e promove as novas rotas para o momento de mudança que se vive na contabilidade. Reunirá um conjunto de parceiros, oradores e convidados de reputação reconhecida no meio que irão contribuir para uma melhor utilidade da informação financeira, transformando-a numa ferramenta de gestão que suporta tomadas de decisões conscientes.

Camilo Lourenço, jornalista económico e docente universitário será convidado a largar as amarras e a içar as velas desta conferência, introduzindo o tema da forma que lhe é peculiar.

TEMÁTICAS:

  • Realçar a importância da preparação e apresentação da informação financeira para que se tomem as decisões certas.
  • Centralizar na forma de obter informação, e na importância que assumem hoje em dia os sistemas de informação, fazendo depois um especial destaque para as novas ferramentas e novas soluções disponíveis para auxiliar a gestão.
  • Por fim, concentrar as atenções na área da fiscalidade.

Informações /  Inscrições:
www.btoc.com
José Pedro Farinha, jose.farinha@btoc.com.pt

   
   

Semana Europeia da Prevenção de Resíduos

    20 a 28 de Novembro de 2010

 

De 20 a 28 de Novembro de 2010 decorrerá a 2.ª Semana Europeia da Prevenção de Resíduos (EWWR) oficial, com o apoio do programa LIFE+ da Comissão Europeia.

Organizada pela Agência Portuguesa de Ambiente, e tendo como parceiro a LIPOR - Serviço  Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, a 1ª Semana  Europeia de Prevenção de Resíduos 2009 contou com diversas iniciativas agendadas ao nível nacional pelas entidades que abraçaram o projecto,  permitindo a participação activa de todos os cidadãos. Este foi um evento chave para promover boas práticas com vista à prevenção da produção de resíduos.

Este ano pretende-se dar continuidade a este evento que se revelou um enorme sucesso em termos de contribuição para a mudança de atitude face à produção de resíduos.

Contactos:
www.eunaofacolixo.com ou no site europeu da Semana www.ewwr.eu

     
   
    Se pretender fazer um coméntário ou deixar-nos a sua opinião, clique aqui!
     
 

Patrocinadores Newsletter